#Opinião: Acertos e erros da equipe do argentino Guillermo Pendino na direção artística da BAND

Em dezembro de 2017 a Rede Bandeirantes iniciou uma reestruturação que começou da alta cúpula até a base. No início de 2018 a Band passou a ter Andre Aguera no cargo de vice-presidência (cargo anteriormente ocupado por Marcelo Meira) e o diretor argentino, Guillermo Pendino, assumiu a direção artística da emissora, que antes esteve aos cuidados da equipe do argentino Diego Guebel. Andre já havia cuidado do Canal 21 (em seus tempos áureos), que faz parte do Grupo Bandeirantes. Já Guillermo, antes de assumir a direção artística, havia ocupado o cargo de diretor do talent-show X Factor Brasil em 2016, que acabou por ter apenas uma temporada, porque no início da mesma, ocorreram diversos erros e problemas que causaram muitas polêmicas, processos e até punição para a Bandeirantes. Vale esclarecer que os problemas nas seletivas do X Factor aconteceram antes de Guillermo assumir a direção, com a diretora anterior, Flávia da Mata, que foi demitida. No desenrolar do programa, já com a direção de Guillermo, ocorreram alguns erros também, como a escolha de jurados que não formavam uma “liga”, como acontece no MasterChef, além de outras questões que colaboraram para um desempenho ruim do programa no quesito audiência, como por exemplo: o horário e os dias de exibição do programa (noites de segunda-feira e quarta). O projeto do X Factor na Band era algo fantástico e promissor, mas, nem todos os formatos emplacam no horário da prime-time e linha de shows noturno como o MasterChef conseguiu, porque existe um fator que prejudica muito a audiência desta faixa da programação, que atende pelo nome de “Show da Fé” ou “Fala Amigo”, derrubando a audiência para o “traço” (abaixo de 1 ponto no Ibope). E os prejuízos no horário nobre da Band são causados desde 2003, por conta do mesmo tele culto de R.R Soares.

Mas voltando ao assunto que é a equipe de direção artística atual da Band; chegado o fim da gestão Diego Guebel no final de 2017, entrou Guillermo e sua equipe no artístico e programação do canal, que conta também com nomes como Marcos Zago (está na Bandeirantes desde os anos 80) e cuida da programação e, Luciana Dias, que é diretora de arte e criação da Band. Algumas dessas pessoas da equipe de Guillermo, também faziam parte da equipe do Diego Guebel quando este ainda cuidava da parte artística e de programação também.

No início de 2018, ocorreram demissões em virtude da reestruturação da Bandeirantes e do período recessivo que o país atravessa, que acabou por atingir outras emissoras também. Com isso, foi detectada a necessidade de a Band remodelar sua programação para ter condições de alcançar públicos não tão abrangidos pela programação desde então, como o feminino e a família brasileira inteira e também conquistar mais faturamento com anunciantes e merchandising. Se em 1984, para driblar crises econômicas, a Bandeirantes começou a apostar as fichas em uma programação voltada aos esportes, e assim se tornando conhecida como “o canal dos esportes”, em 2018 o cenário é outro e consequentemente a estratégia precisa ser diferente também. Até 84 a Bandeirantes produziu grandes novelas de sucesso, a partir do mesmo ano, passou a investir mais nos esportes e deixou de lado a teledramaturgia, produzindo apenas algumas séries como “Casa de Irene”, “Dona Santa”, “Bronco”, “O Cometa”, “Chapadão do Bugre”, “Capitães de Areia”, entre outras. Em 1995 voltou a produzir novelas em parceria com a TV Plus, como “A Idade Da Loba”. Após a morte do fundador do grupo, João Saad em 1999, iniciou-se um conflito entre os herdeiros desta empresa que é familiar, e isso causou um certo “distanciamento” do mercado publicitário que começou a gerar uma crise financeira para o grupo, e em 2001 a Band precisou desistir dos direitos de transmissão de futebol brasileiro. O processo que começou a acontecer em 2001 na Band, que era uma remodelagem da programação, é basicamente o mesmo que está acontecendo agora, já que a emissora desistiu de transmitir o futebol brasileiro em 2016 por conta da recessão e dos caros direitos que precisa re-comprar da Globo para transmitir, em um modelo de contrato restritivo que só favorece a própria Globo e não beneficia a emissora parceira, causando até prejuízos. A diferença é que em 2005, a Band retomou a produção de teledramaturgia com Floribella, mas novamente encerrou o departamento em 2008 para investir apenas em direitos para transmitir futebol em parceria com a Globo. Se em 2002 e 2006 a Band não transmitiu a Copa do Mundo, em 2018 também não vai transmitir. Em 2011 Diego Guebel, ainda dono da produtora “Eyeworks/Cuatro Cabezas” passou a cuidar da parte artística da Band também, mas, não foi produzida nenhuma novela neste período, apenas séries em parceria. Guebel trouxe diversos formatos, desde 2008, quando veio com “CQC” e depois “A Liga”, e assim vieram mais também como “Perdidos na Tribo”, “E24”, “Polícia 24h”, “Mulheres Ricas”, “O Mundo Segundo os Brasileiros”, “Quem Fica em Pé?”, “Agora É Tarde”, “MasterChef”, entre outros. Muitos dos formatos que vieram na fase Guebel, acabaram se desgastando com o tempo, como foi o caso do CQC, Polícia 24h e A Liga, e outros formatos continuam em alta, como é o caso do MasterChef, porém, depois que a Warner Bros. comprou a Eyeworks/Cuatro Cabezas, Diego Guebel passou a acumular funções, a partir de 2017, e assim passou a se usar uma “estratégia” para “faturar” ou conseguir mais dinheiro em caixa no período de crise, com o aluguel de mais horários para concessionários, então vieram o “Sempre Bem” da farmácia Pague Menos, o caça-níquel “Super Bônus” e “Top Game”, nas tardes e madrugadas da emissora.

Com a saída de Diego em dezembro de 2017, e início da nova programação 2018 em março, o então novo diretor artístico, Guillermo Pendino, e sua equipe, resolveram colocar em prática todos os projetos que já tinham sido “vetados” pelo Diego Guebel, que visavam a conquista de mais faturamento. Assim surgiu o modelo da nova programação para o ano de 2018, que estreou o slogan, “A Família Cresceu”, para efetivar o novo objetivo da nova programação, que é alcançar toda a família. Os projetos que fazem parte desta nova fase da programação da Band para este ano são: Um programa semanal de entretenimento com Amaury Jr, “Superpoderosas“, a volta do “Melhor da Tarde” e a contratação de Catia Fonseca, novas novelas turcas, “Viagens Ao Redor Do Mundo“, a supersérie da Telemundo “Senhor dos Céus“, “Música na Band“, a volta do “Video News“, a transição de Datena do jornalismo para o entretenimento com a estreia do novo programa dominical, “Agora É Com Datena” e a volta do “Show do Esporte” reformulado e com o comando de Milton Nevez, Juju Salimeni e o humorista Rogério Morgado. Também fazem parte dessa nova fase a mudança de formato do antigo programa de culinária matutino do Daniel Bork, de Dia Dia para “Cozinha do Bork“, o filho de Datena, o Joel, se tornando o titular do Brasil Urgente, a mudança de nome da sessão de filmes Cine Band para “Quarta no Cinema“, novas temporadas de MasterChef amadores e profissionais, a estreia de uma sessão de filmes nas madrugadas de terça a sexta, que se chama “Cine +” e a mudança de horário do “Só Risos”, da noite para a tarde de domingo.

Todos esses projetos já estrearam e já estão no ar, porém, foi percebida uma queda de audiência com esses lançamentos na grade de programação. Todos os programas são ideias muito boas e importantes para essa nova fase de remodelagem da programação da Band. Podemos falar da importância e do conteúdo de qualidade e alto nível que o “Superpoderosas” oferece para o universo feminino e também para a família como um todo nas manhãs da Band. Também podemos destacar que o Cozinha do Bork ficou muito mais divertido e descontraído com as atrações e conteúdos que Daniel, Luitha e Jiang trazem para incrementar a culinária da família pela televisão, uma vez que Daniel Bork também é um chef que possui uma das revistas de mais sucesso no campo gastronômico, Receita Minuto. Com os lançamentos da grade 2018, as manhãs da Band ganharam mais dinamismo e interação com o telespectador, que antes, encontrava apenas um enlatado onde não era possível exibir episódios mais recentes em virtude de questões contratuais com a Fox, sendo possível apenas repetir exaustivamente os mesmos episódios de temporadas bem antigas. Não podemos esquecer das tardes da Band e de uma de suas melhores contratações em anos, que é Catia Fonseca e todo o seu carisma no comando do novo Melhor da Tarde, trazendo sempre receitas deliciosas, muita descontração e bastante entretenimento. Vamos falar também do Video News que é comandado direto do Rio de Janeiro pela Larissa Erthal e Rafael Baronesi, trazendo, notícias, curiosidades e bastidores das atrações e da Rede Bandeirantes, além de estar reativando a produção de conteúdos da Band Rio, que antes contava apenas com um jornal local e um programa de debate esportivo. O Viagens Ao Redor do Mundo nas noites de segunda mostra lugares fantásticos para viagens e turismo pelo mundo, só que diferente do antigo O Mundo Segundo Os Brasileiros, no Viagens, há o Rodrigo Ruas interagindo com o espectador e trazendo dicas e curiosidades sobre o lugar visitado. Nas noites de quinta você também agora pode conferir com exclusividade pela tela da Band na TV aberta a superprodução premiada que conta a história de Aurélio Casillas, na supersérie Senhor Dos Céus da Telemundo. E quando chega sexta-feira, todo mundo pensa em um happy hour ou uma baladinha, e a Band oferece isso pela noite, sem você precisar sair de casa para curtir grandes shows e espetáculos de diversos artistas de todos os gêneros musicais, porque é só ligar a sua TV para assistir o Música Na Band. No sábado também temos mais uma opção de entretenimento que combina muito com as noites de sábado, que é apresentada pelo melhor e maior entrevistador de todos os tempos da TV brasileira, o Amaury Jr. E nos domingos agora temos mais uma ótima opção de diversão, que é o nosso carismático Datenão comandando sua tarde de domingo com o Agora É Com Datena, onde toda a família pode assistir, porque tem atrações para todos os gostos, como o game-show, A Fuga, a Caixa de Talentos, as atrações musicais badaladas do momento, entrevistas polêmicas e as matérias que aproveitam a veia jornalística do jornalista/comunicador, José Luiz Datena. E as noites de domingo agora ganharam também a volta de um programa que era um clássico dos domingos da Band, mas agora totalmente reformulado e mesclando esportes, jornalismo, debate, entretenimento e atrações musicais. Estamos falando do novo Show do Esporte.

Contudo, nós conseguimos entender as prováveis razões que fazem todos esses conteúdos e lançamentos não alcançarem um bom desempenho de audiência apesar de possuírem importância para a programação e também por se tratarem de produções próprias do canal, em sua maioria. O problema da audiência baixa pode ser entendido pela questão da ausência de estratégia na montagem da grade de programação da emissora. Todos os projetos e ideias da equipe do Guillermo, se são ideias vindas dessa equipe mesmo, são muito boas, em grande parte, mas basicamente não é percebido nenhum cuidado ou planejamento na montagem da grade de programação e dos horários das atrações. A crise e a recessão econômica que o país inteiro atravessa (inclusive outras emissoras também) não pode servir de desculpas pela falta de estratégia e planejamento para montar uma grade que seja “amarradinha” e, ao mesmo tempo, competitiva, porque se forem utilizar essa desculpa de crise, seria mais inteligente demitir essa equipe inteira e inútil que é responsável por essa falta de estratégia na montagem da grade de programação, pois assim se economiza mais em tempos de “crise” . É exatamente na crise que é necessário maior dedicação no planejamento da grade e das atrações. Infelizmente essa falta de planejamento e estratégia na montagem da grade de programação, é um problema que assola a Bandeirantes há muitos anos, ou décadas. E o que mais impressiona, é que os erros e a falta de zelo com a programação é visível a olho nu, para quem quiser ver, e em algumas ocasiões, chega a ser gritante, e todos conseguem perceber e comentar, menos quem está lá dentro sendo pago para se dedicar, pensar, “quebrar a cabeça” e elaborar estratégias criativas, simples, econômicas e eficazes para montar ou sugerir melhorias, mudanças, adaptações e ajustes. Quem está lá na Band, sendo pago para monitorar, fiscalizar, e que pode fazer alguma coisa para mudar e detectar os erros primários que são cometidos, está simplesmente inerte, como uma planta de enfeite, ganhando para não fazer absolutamente nada criativo. E obviamente é gente da equipe do Guillermo Pendino, sendo pago(a) para não exercer sua respectiva função. O amadorismo impera ao extremo e só espanta cada vez mais o público que era pleiteado por essa remodelagem da programação. É lamentável porque quem conhece a real capacidade, importância, conquistas, bagagem e potencial da Rede Bandeirantes de Televisão, já passou por lá, já fez alguma coisa para mudar, vestiu a camisa da empresa, trouxe êxito, sucesso, prestígio, reconhecimento, audiência, faturamento e já mostrou que é possível fazer televisão de verdade e com vontade. Essa foi a “Bandeirantes raiz” dos tempos do senhor João Saad, dos tempos do Rogério Gallo ou da Elisabetta Zenatti, ou do Marcelo Parada, mas agora é uma Band sem estratégia, sem ousadia, uma “Band Nutella” , mediana, com padrões medianos, sem ambição de sair do quarto lugar, ou melhor, tentando, com má vontade, não ser derrubada para o quinto lugar no ranking de audiência. Se a Band fosse uma pessoa, seria alguém com uma alto estima extremamente baixa, sem amor próprio. Band 2018, A Família Cresceu, mas a audiência, desceu.

Se quem está lá na Band, sendo remunerado para pensar, se preocupar em fazer alguma coisa para mudar esse quadro, não está fazendo nada, e ainda se acha entendedor(a) de televisão, não somos nós que vamos ficar aqui nos preocupando, de graça, em sugerir ou pensar em ideias e estratégias na remota esperança de que vão perceber, acordar para vida e consertar as burradas que insistem em repetir e que colocam a emissora nessa situação trágica de audiência da programação. O que podemos fazer é plotar alguns erros óbvios, que pessoas menos imprestáveis e mais inteligentes percebem rapidamente e que poderiam resolver em questão de dias.

Começando pelo início da manhã, quando a programação da Band começa às 06h e com muito custo o competente jornalista Rafael Colombo vai tentando chamar o telespectador de volta para a Band com o Jornal BandNews. O trabalho do Jornal BandNews é difícil, porque tenta tirar a emissora do traço de audiência herdado da programação da madrugada alugada para a Igreja Universal, e todo mundo sabe que o telespectador está levantando cada vez mais cedo, e cada vez mais cedo ele quer se informar, antes das 06h da manhã. Depois às 07h entrega-se para o Café Com Jornal, e assim vai embalando o jornalismo da Band pela manhã. Eis que chega às 08h30, e a programação é novamente entregue para um concessionário de farmácia. Aí depois do concessionário, a Band coloca seus dois lançamentos desse ano no ar, que são Cozinha do Bork (antigo Dia Dia reformulado) e o excelente SuperPoderosas. Mas como que essa equipe de programação e criação artística da Band espera que o Cozinha do Bork e o Superpoderosas consigam, algum dia, um bom desempenho em audiência se eles são prejudicados pela quebra e derrubada de audiência do concessionário de farmácia??? É só ligar os pontos. Será que alguém que trabalha na Band, consegue acompanhar essa programação da emissora ???

Depois nós vamos para o começo da tarde, quando ao meio-dia e meio, a rede é dividida e começa o horário local, e o debate do Jogo Aberto e as piadinhas do Denílson de cunho sexual pra cima da Renata, digo, seu “jornalismo” esportivo, depois entrega para o Neto amado por todos, como podemos perceber nos comentários sobre ele na página oficial da Band no Facebook, pra continuar fazendo mais monólogos, quer dizer, “debate” esportivo, até então o mesmo público praticamente está acompanhando, de repente, às 14h, só para São Paulo e nas parabólicas ou TV por assinatura, aparece a Catia Fonseca que cai de para-quedas com o seu Melhor da Tarde, e já chega jogando umas receitas de guloseimas. Tá ok, nós adoramos a Catia Fonseca, repito, foi a melhor contratação em anos, deveria ter sido contratada em 2007 para comandar o Atualíssima, mas tudo bem… Só que nossa opinião é suspeita né, porque somos fãs torcedores da Band, gostamos da Catia, somos Bandistas, mas o público que estava acompanhando o Neto e a Renata Fan não necessariamente é o mesmo público que vai acompanhar a Catia, tanto é que quando o programa começa, a audiência de Os Donos Da Bola não migra para o Melhor da Tarde. Ah, então vamos acabar com o Melhor da Tarde? Só que nunca! Bate na madeira. A questão que queremos destacar aqui é que essa entrega de Os Donos Da Bola para Melhor Da Tarde não vai rolar nunca, são programas de assuntos diferentes e públicos diferentes. Não é regra, mas também a exceção neste caso é rara. Isso é erro primário de montagem de grade, falta de estratégia. Mas é tão evidente! Como é que não percebem? E outra; Gente, o que é essa história de uma hora de Melhor da Tarde só para São Paulo, parabólicas e TV por assinatura e uma outra horinha só em rede nacional? Fica muito corrido o programa assim, o público perde boa parte do que pode acontecer na primeira hora. E aquele player da Band hospedado no UOL tem uma resolução e imagem péssima, não tem graça do frescor do momento ao vivo. Não dá pra entender, pois já que tem muita afiliada que não consegue produzir nada para as duas horas e aluga horário para concessionários, porque o horário nacional não é puxado para mais cedo, às 14h então? Gente, hellooooo! E mais. Se o Melhor da Tarde desempenhasse melhor sua função na programação da Band, que também é servir como revista eletrônica de entretenimento, não existiria a necessidade de criar o “Video News”, porque no antigo Melhor da Tarde, se promovia e se comentava mais sobre a programação da Band, trazia curiosidades e comentários sobre programas da própria Band, comentava-se sobre as novelas da Band, mesmo que fossem novelas estrangeiras. Mas hoje o Melhor da Tarde comenta mais sobre programas, novelas e artistas da Globo ou de outras emissoras do que da própria Band. Até o “Fofocalizando” do SBT promove e comenta mais a própria programação da emissora do que o Melhor da Tarde. Alguém precisa dar um toque no diretor Rodrigo Ricco, no Neri, nos redatores do Melhor da Tarde, na Kaka Mayer, pra valorizar mais a programação da própria Band. Para se ter uma ideia, a novela turca Amor Proibido alcança uma audiência maior até que o Melhor da Tarde vem alcançando, então deveria ser obrigação promover mais a programação da Band antes de falar qualquer coisa de outra emissora. E o Brasil Urgente, agora que é apresentado pelo Joel, não precisava mais começar às 16h em ponto né, poderia começar às 16h30 ou 17h.

E a famosa noite que falamos no começo desse artigo, que é prejudicada no seu momento crucial por conta de um tele culto perdido ali no meio, tudo junto e misturado. E não adianta colocar Video News pra falar da programação e não falar direito, não mostrar coisas a respeito da história, arquivos, de quando a Bandeirantes acertava e sabia fazer televisão, programas de entretenimento e linhas de shows. Já sei, não mostram isso no Video News porque tem vergonha de agora né, que não sabem mais fazer televisão como antes, desaprenderam. Entendo, mas então qual a razão do programa existir? Fazer fofocas sobre sub celebridades fúteis? Esperar a novelinha da coleguinha concorrente acabar para começar sua linha de shows? Sério que a Band está competindo com a Globo a esse ponto na audiência? É só esperar a novela acabar lá pra poder cortar qualquer coisa que estejam mostrando no video news e começar a linha de shows da Band? Nossa, que estratégia criativa? Tenho impressão que Silvio Santos fazia isso nos anos 80. Super atual essas “estratégias”, hein Band. Agora cá entre nós, faça meu favor né Band, o Video News tenta, e não consegue, levantar a audiência da Band do abismo que o R.R. Soares jogo ela e mal consegue isso até às 22h30, ou melhor, quando a novela da coleguinha acaba, e mesmo assim continuam encerrando o Video News só quando a novela lá acaba? Sério mesmo que acham que estão no páreo? É melhor acordarem para a vida. Nessa hora que a novela lá acaba e o Video News é encerrado na Band, a audiência ainda não saiu do traço, exceto em dias como o MasterChef. E a outra coleguinha também passa R.R. Soares, só que de modo mais estratégico, eles retornam com a programação da emissora às 21h30, enquanto que dona Band só retorna com programação às 22h15, tirando os blocos de programas distribuídos no meio de um intervalo, sim porque as vezes é 2 ou 5 minutos de programa e 7 de intervalo, e daqueles bem repetitivos com os mesmos anunciantes que você enjoa e decora sem querer aqueles jingles irritantes.

Nenhum diretor de programação ou artístico ou de criação ou de entretenimento nunca conseguiu pensar, apresentar ou realizar pesquisas de propostas de anunciantes ou possibilidades mostrando que é possível sim a Band tirar o R.R. Soares das 21h e colocar alguma atração pra chamar o telespectador ou ressuscitar a audiência da emissora nesse horário de novo? Desculpe mas não é desde 2003 que a Band enfrenta crise econômica. Na época do senhor João Saad, isso jamais aconteceu e se ele estivesse vivo, isso jamais aconteceria. O missionário também apresenta diversos milagres durante o tele culto dele, menos o milagre de ressuscitar a audiência da emissora naquele horário. Pelo fato de o R.R. Soares estar no ar no horário nobre da Band desde 2003, e mesmo quando a emissora alcançou faturamentos altíssimos em 2011, ele continuou lá, intocável, isso só comprova que não é uma questão de dependência do valor que o missionário paga pelo aluguel do horário que aumenta o faturamento da emissora, e sim uma questão de comodismo e conformidade com a incompetência  da direção de programação e artístico do canal desde quando o missionário se tornou fixo no horário nobre. É esse pensamento pequeno que sempre vigorou dentro da Band, ah, para quê vamos mexer e investir no horário nobre sendo que ganhamos uma fortuna só alugando para a igreja sem precisar fazer nada? Nós somos medíocres mesmo, a coleguinha concorrente com as novelinhas dela sempre foi imbatível! Só que não, queridinha! Isso não é fazer televisão com sabedoria, comprometimento e engajamento e é por essa causa que diversas vezes a Band amarga o quinto lugar nas noites de segunda, quarta, quinta e sábado. E quer saber? Bem feito pra Band também, quem manda colocar gente acomodada e incompetente pra cuidar e elaborar estratégias para a programação? Somos fãs, mas somos fãs conscientes também. Assim não dá pra te defender, Band querida.

E também é complicado entender outra coisa na Band, que é o fato de colocarem uma sessão de filmes quase diária nas madrugadas sendo que o “estoque” de filmes não é vasto. Como diz o Datena, “Me ajuda aí, Band!”. Se tem uma sessão que precisa passar alguns filmes melhores, fecha algum acordo com alguma distribuidora boa para exibir pelo menos um filme bom e mais novo por semana, na Quarta no Cinema. Pois teve uma vez que a Band anunciou o filme “Esqueceram De Mim” desde o começo da semana, para passar na quarta-feira, quando chegou na hora de exibir, começou outro filme, “Um Tira Da Pesada III”. E pelo amor de deus, esses filmes são muito velhos. É o cúmulo do absurdo, do descaso e do amadorismo. Vai ver é só a gente que assiste a Band, nem eles mesmos assistem, e agora até o público vai deixando de assistir, pois da pra perceber pela audiência que vem registrando.

Tem atrações e determinados horários da programação que simplesmente não são anunciados, que não ganham chamadas, que não são valorizados e assim pouca gente fica sabendo e a audiência é o tradicional traço.

Com relação ao tamanho do Agora É Com Datena, o horário vespertino está bom, mas precisava de mais conteúdos, mais games, mais atrações, mais quadros, mais convidados e mais humor. Enfim, A Bandeirantes sabia fazer bons programas de entretenimento, quando a Hebe passou por la, quando existia o Bolinha, depois com o Sabadaço do Gilberto Barros, depois com o Jogo da Vida da Márcia Goldschmidt. Aliás, qualquer momento da Márcia na Band foi espetacular e sempre traz ótimas lembranças de atrações e audiências, e deixa muitas saudades até hoje. O que precisa é reaprender a fazer entretenimento.

O que causa desilusão com a Band, é que é uma emissora que tem uma história fantástica de superação de crises, dificuldades, de saber se virar no improviso, ter altas sacadas e tirar ideias simples e ótimas da cartola e sempre sacar uma carta na manga e agora só se vê uma inércia total e uma falta de vontade de fazer televisão. A grade de programação não é montada para beneficiar os bons lançamentos de agora, para funcionar ou para dar certo. É uma grade feita para se auto boicotar, para não dar certo mesmo, vai de qualquer jeito e a desculpa é sempre a crise, mesmo quando não há crise ou dificuldades, se inventa uma desculpa. E interessante que quando ocorreu uma crise mesmo que causou um prejuízo terrível e comprometeu mesmo o funcionamento de tudo, que foi o incêndio em 1969, foi também o momento que mais se mexeram para improvisar e sair “da lama” rapidamente. A Band só resolve se mexer e mudar quando está no bico do corvo. Quem sabe agora só resolvam se mexer e fazer alguma coisa para reverter o quadro e estancar a queda de audiência na hora que começar a perder em audiência para uma CNT da vida. Porque a Band só reage no modo instinto de sobrevivência.

É triste né, uma empresa que já foi referência, pioneira, que tinha prestígio, respeito, reconhecimento e que tem uma incrível bagagem e hoje se porta como uma emissora pequena e apresenta um modo de fazer televisão tão desmotivado.

Nós torcemos muito pela Rede Bandeirantes, ou Band, como preferirem chamar, não é atoa que montamos um fã-clube! E nós queremos aquela Bandeirantes viva de novo, acordada, antenada, ousada, competitiva, estratégica, mais que em 2001/2002/2005 ou 2007/2008 ainda! Queremos uma Bandeirantes que volte a fazer novelas com aquela propriedade e maestria típicas dela, que prossiga com os planos de mudar sua sede para um lugar maior, onde possa ter mais estúdios pra entretenimento, tanto em São Paulo como no Rio e principalmente, que monte aquela grade de programação bem planejada, estratégica, competitiva e bem amarradinha!

Se o seu Johnny ou o André Aguera estiverem lendo isso, por favor, seu Johnny e seu André, me ajuda aí! Coloca lá na direção gente que sabe fazer grade de programação estratégica que favoreça os lançamentos e que saiba fazer televisão!

 

  • A opinião colocada nesta coluna pode expressar, ou não, as ideias de toda a equipe do Fã-Clube Band.