Diretor argentino do artístico e programação da BAND, Guillermo Pendino, foi demitido

De acordo com o colunista do UOL, Flavio Ricco, a Bandeirantes demitiu na última sexta-feira(8), o diretor artístico argentino, Guillermo Pendino. Essa seria uma das primeiras de uma série de medidas que visam reformular e reestruturar diferentes setores da emissora. Vale destacar que Pendino também cuidava de assuntos relacionados a programação do canal, que antes era controlada pelo outro ex diretor argentino, Diego Guebel.

Antes de assumir o artístico e programação da Band, Guillermo dirigiu a fatídica e desastrosa primeira e única temporada do grande formato X Factor Brasil na Band, em 2016. O diretor estava na emissora do Morumbi desde 2004.

Com 30 anos de carreira, Pendino também teve uma conturbada passagem como diretor de conteúdo, programação e produção da emissora argentina TELEFE, onde Diego Guebel também já trabalhou.

A Bandeirantes ainda não se manifestou oficialmente a respeito de quem poderá ser o(a) novo(a) diretor(a) artístico(a).

Ocorreram rumores e especulações envolvendo o nome de Vildomar Batista. Mas nada foi confirmado oficialmente a respeito disso.

Para o colunista do UOL, Guillermo chegou a declarar que seu principal objetivo era desenvolver uma programação voltada para toda a família, porém, após colocar em prática e realizar os lançamentos para essa nova programação da Band, não foi utilizada nenhuma estratégia na montagem da grade de programação. E essa falha chegou a ser destacada pelo próprio Flavio Ricco do UOL, na época do lançamento da nova programação. Os lançamentos, muitos bons e necessários, foram simplesmente jogados na programação, sem que houvesse um planejamento, um zelo e uma estratégia na montagem da grade inteira de programação, que favorecesse ou valorizasse os lançamentos. Sendo assim, foram inseridos ótimos programas e formatos que são prejudicados por horários ingratos e desfavoráveis no quesito entrega de público ou audiência, como por exemplo, programas bons e lançamentos serem antecedidos por concessionários de farmácia, horários alugados por tele cultos e programas religiosos dos mais variados, ou então programas que possuem péssimos redatores, fazendo com que programas de entretenimento careçam de conteúdo e o pior, não planejar e sequer cogitar a reativação do núcleo de teledramaturgia da Bandeirantes.

A postura adotada pela Band neste ano foi a de produzir programas voltados para todos os públicos e para a família brasileira, mas que também fossem atrações que viessem a trazer mais faturamento, ou que conseguissem se pagar. Mesmo que o objetivo seja melhorar ou aumentar o faturamento, é muito necessário e importante um bom desenvolvimento de um planejamento e uma estratégia para que lançamentos venham a emplacar em audiência, por conta de uma programação “redondinha”. E para planejar uma programação de modo estratégico, não é necessária a disponibilidade de verbas exorbitantes para fazer os produtos emplacarem. Basta colocar pessoas que entendam bem de televisão e que não tenham histórico de fracassos em outras emissoras ou programas, sejam do Brasil ou do mundo.

É possível fazer uma programação eficaz, econômica, que renda bom faturamento e que renda bastante audiência, afinal isso já foi realizado na própria Band, basta buscar trabalhar com as pessoas certas, que tenham visão, que pensem grande, que sejam ousadas, comprometidas, que conheçam e valorizem a grandeza e a trajetória e que vistam a camisa da emissora realmente.

  • josean

    O dono da Band deveria ajudar,não alugando seu horário nobre pra tele culto.