Estreias e maiores alterações na programação da BAND ficaram para 2019

Anteriormente, com o andamento da copa do mundo 2018, a direção da Band detectou a necessidade de realizar uma série de ajustes em sua programação, além de planejar mais lançamentos para o segundo semestre deste ano. Então começaram a circular notícias a respeito de uma série de ajustes, mudanças e estreias como a volta de “O Aprendiz” com a contratação de Roberto Justus, a mudança do programa de Amaury Jr. para os fins de noite de segunda a sexta, a estreia de um novo telejornal matutino para ocupar o horário do Jornal BandNews e Café Com Jornal, uma atração dominical com Netinho de Paula e também ajustes na grade de programação e em algumas atrações, com o objetivo de melhorar suas audiências.

Ocorre que, em virtude de estarmos em um ano eleitoral, inevitavelmente acontece uma instabilidade política e econômica, causando a alta do dólar e um corte de verbas, que são fornecidas pelo governo para as concessões públicas em troca de propagandas.

Então, neste momento, prudentemente, para colocar algo novo no ar, é necessária a sua viabilização e garantias comerciais, para evitar transtornos. Logo, as atrações que citamos no primeiro parágrafo, como planos de futuros lançamentos, não chegaram a ser viabilizadas para que entrem no ar ainda em 2018, ou seja, apenas em 2019, quando possivelmente se desfrute de maior estabilidade no campo econômico.

Mas já é possível adiantar uma suposta novidade e alteração na programação da Bandeirantes, logo no início de 2019.

Recentemente a Disney e o SBT encerraram uma parceria que incluía o aluguel de horários da grade para o grupo americano veicular suas produções na TV aberta, além de produzir conteúdos de modo conjunto. Rapidamente, quando o fim dessa parceria foi decretado e anunciado, a Band e a RedeTV! começaram a pleitear esse mesmo modelo de parceria que o SBT tinha com a Disney.

Segundo o site Na Telinha, a Band teria levado a melhor nessa disputa, por oferecer mais espaços nas três principais faixas horárias de programação, incluindo o horário nobre, além de alcançar uma media-dia de audiência superior a da concorrente. Ainda segundo o mesmo site, a parceria entre Band e Disney começa oficialmente em 2019.

Uma parceria entre Band e Disney se mostra bastante conveniente agora, uma vez que a programação de concessionário religioso da Igreja Universal do Reino de Deus estaria “redistribuindo melhor o aluguel de horários em emissoras melhores ou com mais audiência”. Fato é que, é muito mais interessante para uma emissora como a Band, arrendar horários para uma produtora de conteúdo para a televisão do que para religiosos, que pouquíssimas pessoas assistem (registrando “traço” = abaixo de 1 ponto no Ibope) e que causam uma prejudicial quebra de público. Ao contrário do conteúdo da Disney, ou de qualquer outro grupo similar, o que se traz para a TV aberta, são atrações e produções para o público em geral.

A única dúvida que permanece é referente a continuidade da exibição de novelas turcas no horário nobre da Band. E existe dúvida porque, há um tempo antes da estreia pouco planejada da novela turca Asas Do Amor, a direção artística e de programação da emissora, que atendem pelos nomes de José Emílio Ambrósio e Marcos Zago, estariam objetivando limar da grade noturna as produções turcas e exibir novelas e reprises brasileiras, mesmo que a emissora ainda possua direitos de exibição de uma série de folhetins da Turquia e mesmo que também tenham veiculado chamadas mostrando cenas das mesmas. A escolha, de última hora, de Asas do Amor, mostrou que ainda pretendiam dar mais uma chance para as tramas turcas, mas, a audiência da história de Leyla, Alper e Hasmet ainda continua patinando e apresentando dificuldades em decolar na audiência. O contrário do que aconteceu após a reviravolta na história de Amor Proibido, Asas do Amor já está há um tempo no ar, mas agora fica entre o horário político e o concessionário religioso do missionário R.R. Soares; este último que não saiu e não tem seu horário migrado para a madrugada desde 2003 (Bem que agora que a Igreja Universal não pretende alugar mais horários nas emissoras, a Band poderia oferecer o horário da IURD na madrugada para o R.R. Soares né? A chance desse concessionário religioso dominar a madrugada toda da Band é agora! Aproveita R.R! Libera o horário nobre pro tio Johnny, vai! Please!). E agora, com essa notícia de que a Band teria fechado acordo com a Disney para o aluguel de uma hora no horário nobre, automaticamente podemos considerar que o que vai dar lugar para a Disney, seja, infelizmente, o horário das novelas turcas e não o concessionário religioso – este que seria o mais coerente e menos prejudicial no quesito “quebra de público” para ser limado de fato, ou alterado para a madrugada. Mas vamos ser otimistas e esperar para ver e, torcer para que o bom senso prevaleça na cabeça de Johnny Saad (dono do Grupo Band), Andre Aguera (vice-presidente), José Emílio Ambrósio (diretor artístico) e Marcos Zago (diretor de programação), em benefício de nós, o público, afinal, 15 anos de R.R. Soares no horário nobre da Band só faz crescer a preferência pelo conteúdo que vai ao ar no mesmo horário na concorrência, além do crescimento do espaço ocupado pela mesma, sepultando, desta maneira, as chances de a Band um dia ambicionar elevar os seus níveis e padrões de audiência para reagir com rapidez e ser mais competitiva.

Que 2019 seja um ano de mais ousadia para a Band e que possa reagir ainda neste ano também, planejando a programação, de modo mais estratégico e aproveitando melhor os bons produtos que ainda se tem nas mãos.